Veneno de cobra brasileira tem molécula que inibe o coronavírus


Cientistas do Instituto de Química (IQ) da Unesp, em Araraquara, identificaram no veneno da cobra brasileira Jararacuçu* um peptídeo (pedaço de proteína) capaz de conter a reprodução do novo coronavírus (SARS-CoV-2). A descoberta ocorreu após testes realizados em laboratório, nos quais os pesquisadores observaram que a molécula extraída do veneno do réptil inibiu em 75% a capacidade do vírus se multiplicar em células de macaco. Os resultados obtidos no trabalho geraram um artigo que foi publicado na última semana na revista científica internacional Molecules. Saiba mais em: https://bit.ly/3l90XWu