Unesp cria sensor para detectar antibiótico em rios e esgotos


Bronquite, sinusite, gonorréia e pneumonia são algumas doenças que podem ser tratadas com o uso de Ciprofloxacina, um antibiótico amplamente receitado e que pode ser facilmente encontrado nas farmácias. No entanto, os pacientes que utilizam o medicamento não conseguem metabolizá-lo totalmente no organismo, eliminando até 72% do remédio pelas fezes ou urina. Esses resíduos do antibiótico, que também é muito utilizado na medicina veterinária, chegam até o esgoto público e podem contaminar rios e águas subterrâneas. As estações de tratamento de água e esgoto (ETARs) não conseguem detectá-los e removê-los, uma vez que não foram projetadas para exercer essas tarefas. Essa limitação pode fazer com que a população de uma determinada cidade tenha acesso a uma água que não esteja totalmente livre de impurezas. Saiba mais em: https://bit.ly/3rFpaoy