Cientistas da USP extraem compostos da romã que podem aumentar vida útil de morangos


Em pouco mais de 30 dias, seguindo a tradição de simpatias de Réveillon, brasileiros em busca de prosperidade vão consumir parte das 279 toneladas de romã produzidas anualmente no país. Eles irão guardar as sementes, mas descartarão as cascas, jogando fora uma rica fonte de compostos que, com uma pesquisa do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP, agora pode ser explorada de forma mais sustentável, rápida e barata para diferentes finalidades. Por meio de uma nova técnica, os cientistas conseguem extrair da casca 84,2% mais antioxidantes — substâncias que possuem propriedades conservantes e são capazes de retardar o processo de envelhecimento —, aproveitando a porção da romã que vai para o lixo. Saiba mais em: https://www5.iqsc.usp.br/2021/cientistas-da-usp-extraem-compostos-da-casca-de-roma-que-podem-aumentar-vida-util-de-morangos/